quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Reviravolta no caso da morte do Jovem André França Sobreira de 31 anos.


Foto:Facebook


A polícia civil da cidade do Crato tem sido uma das regionais de polícia mais atuantes do estado. Em busca de solucionar os vários casos registrados nos municípios em que está demarcada a sua jurisdição tem feito um trabalho efetivo, dando uma resposta em tempo condizente a sociedade.

O estudante André França Sobreira, de 31 anos, foi assassinado a golpes de faca pelo dono de restaurante Danilo Morais Arraes, de 35 anos, que terminou preso e após audiência de custodia  foi posto em liberdade para responder por homicídio simples, porém de acordo com algumas informações e pela experiência dos profissionais que tomam conta do caso, o depoimento do autor do crime não estava convencendo, ou pelo menos ficou vago, necessitando ainda uma investigação mais aprofundada da motivação e a relação entre os dois.



A informação de que a motivação do crime seria um desentendimento desencadeada por conta de uma dívida que pode ter sido  um escape no momento do depoimento, pois descobriu-se que André França Sobreira (31), não havia ido ao local que estava o suspeito de assassinato Danilo Arraes (35), para cobrar uma dívida.

Segundo a polícia civil durante as diligências feitas por ela, descobriu-se que André não tinha ido ao local cobrar o suspeito, na verdade, a vítima estava hospedado na casa do irmão do suspeito, que fica ao lado,do local do crime. O andamento das investigações aponta que a dupla possuía envolvimento com o tráfico de drogas.

Segundo informações coletadas, por nossa reportagem, a família de André não sabia que o mesmo estava na cidade do Crato.

Para a família ele estava em Petrolina-PE e foi com surpresa saber que ele estava por aqui, fato este sabido só após os acontecimentos. André veio a convite do suspeito ou dos suspeitos para passar as datas de natal e ano novo. Ainda se procura saber e é linha de investigação se mais uma pessoa estava presente no momento do crime, levantando a suspeita de premeditação, ou o chamado cheiro do queijo na linguagem popular.



Uma cova? Ou um buraco para esconder drogas? Um buraco cavado, dando a entender ser uma cova pode dar outros rumos da investigação, tendo em vista que todo o material colhido deverá responder há muitos questionamentos.

com as investigações a policial descobriu e desativou um laboratório de drogas e como personagem central e responsável pelo laboratório o Danilo Arraes. A policia procura outros envolvidos com o laboratório que funcionava neste prédio.



No prédio, no Centro do Crato, a Polícia Civil apreendeu 600 gramas de maconha dividido em 28 pacotes, uma estufa, balanças de precisão, maquinetas, além de apetrechos para embalagem dos entorpecentes e uma mala com roupas e documentos da vítima. Diante dos fatos, todo o material encontrado foi apreendido e levado para a sede da delegacia regional da cidade.

Danilo, que passou por audiência de custódia e foi liberado para responder pelo crime de homicídio em liberdade, foi novamente preso e autuado em flagrante por tráfico de drogas. A PCCE segue em diligências para capturar os envolvidos na atividade criminosa.

Denúncias

A Polícia Civil ressalta que a população pode contribuir com as investigações repassando informações que possam ajudar na localização dos suspeitos. As denúncias podem ser feitas pelo número (88) 3102-1286, da Delegacia Regional do Crato, que também disponibiliza o mesmo número como WhatsApp. O sigilo e o anonimato são garantidos.